© 2018 Desenvolvido por Indoor Brasil

Diamante Fundo Transparente.png

Procon vai fiscalizar preço abusivo em novas placas do Mercosul


Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon) vai fiscalizar os preços abusivos da nova placa no padrão do Mercosul, que podem chegar a custar ao bolso do sul-mato-grossense mais de R$ 300. O sistema está em fase de implementação em Mato Grosso do Sul.


Segundo o superintendente do Procon, Marcelo Salomão, o órgão irá fiscalizar as empresas autorizadas pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran) para fazer o estampamento das chapas. “Já estamos fazendo uma pesquisa de preço. Estamos fazendo levantamento dos preços em outros estados e a equipe já está na rua fazendo levantamento na nossa Capital”, disse ele ao Correio do Estado.


No Paraná, por exemplo, quando o sistema de placas do Mercosul foi adotado, em dezembro de 2018, as placas custavam em torno de R$ 250 para automóveis; hoje é possível encontrá-las com custo de aproximadamente R$ 100. No Rio Grande do Sul, antes da implantação do novo modelo o preço praticado ficava entre R$ 120 e R$ 180. Já o valor da placa nova varia entre R$ 190 a R$ 250.


Em Mato Grosso do Sul, a emissão das chapas está suspensa durante toda a semana para que o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) faça a migração para o sistema novo.


Empresas estampadoras credenciadas junto ao órgão ficarão responsáveis pelo procedimento a partir de segunda-feira (3). Cada uma delas definirá seus preços, formas de pagamento e canais de atendimento com os clientes. A expectativa do poder público é que, com o tempo, a lógica do mercado torne os emplacamentos mais baratos, a exemplo do que aconteceu nos estados onde as placas novas já estão sendo disponibilizadas.


Na Capital, são quatro autorizadas a prestarem o serviço. A Íons, que fica no Bairro Coronel Antonino, é a mais adiantada nos preparativos e a única que já tem os valores definidos, conforme divulgado na edição de ontem do Correio do Estado. A reportagem esteve no local no dia 28 e foi informada de que o serviço custará R$ 150 para motos e R$ 290 para carros e não será parcelado.


No caso de veículos novos, segundo o Detran, os proprietários vão até a sede do Detran na saída para Rochedo ou nas empresas terceirizadas para fazer a vistoria, portando a nota fiscal e documentos pessoais. Depois, devem ir até uma das unidades do órgão para impressão da documentação.


Com o Certificado de Registro de Veículo (CRV) e o Certificado de Licenciamento (CRLV) em mãos, basta ir até uma das estampadoras.


Os atendentes vão jogar o número do registro no sistema e conferir qual a sequência de números e letras designada para aquele veículo, que é impressa na placa e fixada no carro.


Ontem (28), o Detran reforçou novamente que não vai mais fazer emplacamentos, nem emitir guia de pagamento da identificação visual ou interferir nos preços.