• Diamante FM

Apesar da estiagem, safra de soja 2020/2021 deve ser recorde no Estado


O plantio da soja foi autorizado no dia 16 de setembro, quando teve fim o vazio sanitário. Até o momento, menos de 5% das áreas foram semeadas, de acordo com a Associação dos Produtores de Soja e Milho de MS (Aprosoja-MS).


Apesar da falta de chuvas e de o plantio efetivo ainda não ter começado, as estimativas apontam para produção recorde no Estado.


De acordo com o departamento técnico da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Sistema Famasul), não há atraso na semeadura da oleaginosa.


No histórico das últimas 10 safras, cerca de 65% do volume de plantio de soja em Mato Grosso do Sul foi realizado entre os dias 10 e 30 de outubro, portanto, ainda estamos na janela de plantio, com prazo para efetuar a semeadura em condições normais”, informou em nota.


No comparativo com a safra 2019/2020, é estimado acréscimo de 7,55% na área plantada, passando de 3,389 milhões para 3,645 milhões de hectares.


Conforme o boletim Casa Rural, elaborado pela Famasul, com base nos dados do Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio (Siga-MS), é estimado aumento de 2,35% no volume de produção de grãos.


No ciclo anterior, o Estado registrou produção recorde com 11,325 milhões de toneladas na safra 2019/2020, a estimativa para o ciclo 2020/2021 é de 11,591 milhões de toneladas. Com produtividade estimada em 53 sacas por hectare.


Segundo o presidente da Aprosoja-MS, André Dobashi, caso haja atraso no plantio da soja, a chance de o produtor ter uma boa safra de milho é reduzida.


O atraso da soja vai muito de encontro com a vontade do produtor de plantar milho, porque a janela ideal para o plantio é em outubro. O produtor que ainda não plantou soja não está ansioso com a soja, mas com a área de safrinha dele. Cada vez que você entra mais para dentro do mês de outubro, o plantio da safrinha fica mais longe do início de fevereiro, e isso é ruim”, explicou o presidente da Aprosoja.


O departamento técnico da Famasul ainda informou que o plantio só será considerado atrasado a partir de 30 de outubro.


 Nas regiões sul e centro de Mato Grosso do Sul, algumas cidades iniciaram a semeadura no fim de setembro.


Algumas cidades das regiões sul e centro do Estado, como Deodápolis, Bandeirantes e Maracaju, tiveram volume de chuvas em setembro. O produtor percebeu que tinha umidade para o plantio e semeou. Começou semeando pouca soja, entre os dias 25 e 27 de setembro, porque, além de condições de semeadura, tinha previsão de chuvas para o início de outubro e eles estavam confiantes nessa chuva, que ainda não veio. A gente ainda não chega a 5% de semeadura”, disse Dobashi.


Ainda de acordo com o representante dos produtores, o setor segue apreensivo com a falta de regularidade das chuvas.


O que precisa acontecer é a normalização de chuvas para os próximos dias, para o produtor começar a semear de fato, porque ele, ao contrário do ano passado, já está com a maioria das áreas prontas. A gente tem uma situação um pouco diferente do ano passado, porque em 2019 foram registrados agosto e setembro muito secos, o que impediu que o produtor fizesse até mesmo as dessecações, este ano tivemos um setembro melhor e o produtor conseguiu dessecar as lavouras”, ressaltou.


O agrônomo Ricardo Rigon supervisiona lavouras na região sul do Estado e afirma que poucos semearam no fim de setembro.


 “Estamos aguardando as chuvas, mas acredito que este ano será melhor do que o passado. Acredito que vamos conseguir concluir a semeadura até o começo de novembro. Na safra passada até o fim de novembro, estávamos plantando”, informa.


Conforme informações da Famasul, ainda é cedo para avaliar os impactos da estiagem sobre a safra 2020/2021.


Há previsão de chuvas para a segunda quinzena de outubro, com expectativa de melhora na umidade do solo e do ar”, informou o departamento técnico da instituição.


Ainda de acordo com a federação, de modo geral, os incêndios registrados no Pantanal não afetaram áreas de agricultura no Estado, “sendo ainda cedo para avaliar se houve prejuízo”.


Em Campo Grande, foi registrada uma chuva rápida na tarde de ontem (6).


A previsão para os próximos dias, segundo o Centro de Monitoramento do Tempo e Clima (Cemtec), é de que a partir do dia 11 há expectativa de pancadas de chuva nas regiões pantaneira e sudoeste.  

3 visualizações
© 2020 Desenvolvido por Indoor Brasil
Logo Branca.png

Rua José Vieira Flores QD 18 L 9. Recanto Dos Pintados - Corguinho MS