• Diamante FM

Após 11 governadores, Rose Modesto quer fazer história como primeira mulher a governar o MS

Atualizado: 10 de fev.


Rose Modesto lançou sua pré-candidatura ao Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, anunciando também a sua saída do PSDB para um partido ainda a ser definido. Ela está aguardando a janela eleitoral para se pronunciar oficialmente sobre o partido a que se filiará pelo qual deverá concorrer às eleições de 2022.


A parlamentar foi entrevistada pelo


radialista Eli Sousa, no programa “Bronca do Eli”, veiculado nas rádios do Grupo Impacto de Comunicação, e durante o bate-papo ela falou um pouco de sua história que começa no interiorzão de Mato Grosso do Sul até se tornar vereadora, vice-governadora e, por fim, a deputada federal mais votada da história de Mato Grosso do Sul. Confira a íntegra da entrevista com a pré-candidata a governadora do Estado, deputada federal Rose Modesto:


Eli Sousa – Porque demorou um pouco para a senhora se pronunciar como pré-candidata ao Governo do Estado, sendo que há um ano já vem se comentando esse fato nos bastidores políticos?


Rose Modesto – Na verdade essa é uma decisão Eli, que não poderia passar só por mim. Eu tinha esse sentimento de que tem realmente esse espaço para que possamos construir essa candidatura, com musculatura, para que possamos fazer um bom debate com todos os sul-mato-grossenses, mas eu acho que era importante eu andar o Estado inteiro e o fiz. Nesse tempo eu me reuni com praticamente todos os segmentos, com o servidor público, com o grupo do terceiro setor, as pessoas que trabalham no terceiro setor. Falei com empresários e também falei com a classe política. Eu fui vereadora e eu sei a importância que têm um vereador. É a classe política que é mais próxima das pessoas. Fizemos uma pesquisa boa, qualitativa, para poder entender qual era o sentimento do eleitor. Então eu acho que era uma decisão que eu tinha que tomar de uma forma muito amadurecida e, principalmente, amadurecendo com quem mais interessa, que é com o povo. Então foi o que fizemos. Virou o ano e foi quando nós realmente tomamos a decisão de colocar nosso nome como pré-candidata a governadora. Continua o diálogo para que possamos construir a nossa pré-candidatura. Depois a candidatura, quando a legislação permitir e, por fim, governar, se Deus quiser, e não será diferente. Eu acredito que quanto mais a gente conversa, quanto mais a gente fortalece as discussões no diálogo, a gente tem a oportunidade de acertar mais. Então é nesse espírito que eu estou iniciando esse pré-candidatura ao Governo do Estado.


Eli Sousa – A senhora que já viajou o Estado todo, qual é o sentimento da população, o que o povo está esperando de um novo governador ou govenadora?


Rose Modesto – O povo está esperando um governo que seja realmente, mais humanizado, que cuida de quem mais precisa. Eu acho que no momento nós estamos vivendo uma crise muito profunda, crise econômica e quando eu falo de crise econômica falamos da questão relacionada à vida de quem mais sofre com a crise, do trabalhador, da família mais humilde.


Há algum tempo você ia ao mercado e gastava R$ 60,00 e hoje para comprar os mesmos itens você gasta R$ 100,00. Então as pessoas estão com dificuldade. O Mato Grosso do Sul é um Estado rico, eu disse ontem na nossa fala: é um gigante do agronegócio. Mas tem muita gente passando fome, com dificuldade de se alimentar. Então, nós queremos transformar essa realidade. Eu acho que um governo nunca faz tudo, não consegue resolver tudo, mas o governo deve priorizar e a prioridade é um governo que vai dar mais oportunidade para quem precisa, que vai combater desigualdades. Quero aqui fazer um elogio ao Governo do Estado. O governador Reinaldo deixou o Estado fiscalmente com uma saúde muito grande.


A nossa receita corrente líquida do ano passado foi de R$ 25 bilhões e as despesas, mais os repasses que são feitos para às instituições, ficou em R$ 18 bilhões. Significa que tem um saldo, que tem dinheiro. E esse dinheiro onde vai? Qual será o investimento? Qual é a prioridade do momento? Nós queremos lutar por igualdade, justiça social. Eu sou de uma família muito humilde, financeiramente falando, eu sou de uma família pobre, passei por tudo, o que é falta. Falta de saúde pública. Moramos em uma casa no Conjunto Parati de 42 metros quadrados, onde vivíamos, eu, minha mãe, meu pai, mais seis irmãos e ainda trouxemos de Cuturama para Campo Grande uma família, sendo uma mãe e dois filhos.


Uma mãe que sofria com violência doméstica e quando ficou sabendo que estávamos vindo embora para Campo Grande ela pediu ‘Pelo amor de Deus não me deixe aqui’. Então, quando chegamos em Campo Grande, moramos em uma casa de 42 metros em 11 pessoas.


Eu sei o que é depender da saúde pública, do transporte público, sei inclusive como é difícil para uma mulher sair de casa às seis da manhã para trabalhar. Infelizmente sendo abusada no transporte público. Fui aluna bolsista, então, eu sei a realidade. Nesse momento, a nossa proposta é falar de forma simples, fazer e pensar um governo de forma simples, mas que estenda as mãos para quem precisa não esquecendo dos empresários, que tem sido ser corajoso para se manter. Principalmente o pequeno e o médio empresários que geram empregos. Precisamos de uma reforma tributária mais ampla no Brasil e no nosso Estado não é diferente. Hoje no Mato Grosso do Sul chegou o momento de se reunir com os empresários, de fazer as discussões necessárias, de mexer na pauta do ICMS, porque isso fortalece o empresário. É ele quem gera emprego e o emprego que gera renda e a renda que gera oportunidade. Então, eu estou com a minha cabeça muito focada nisso e o meu coração muito determinado em buscar fazer um governo muito mais humanizado.


Eli Sousa – Na imprensa saiu hoje (08-02), que a senhora lançou a sua pré-candidatura e abriu fogo contra os seus adversários, que fogo é esse?


Rose Modesto – Primeiro que não é isso. Não é verdade. Pelo contrário, eu quero participar de uma eleição em alto nível, discutindo proposta e solução para o Estado, de forma ética, dentro da lei. O que eu disse é que o Mato Grosso do Sul não tem dono, não precisa ter um sobrenome tradicional para você chegar à cadeira de governador. Mato Grosso do Sul é de todos nós, que queremos o bem, que queremos trabalhar por ele, que entendemos que para tudo o que for feito aqui, existe uma lei. Tem que ser dentro da moral, essa foi a minha fala. Sou mulher e a mulher sofre muito. Eu já passei por isso. Fui comparada com uma mulher de fundo de boate e chamada de prostituta. Infelizmente ainda há preconceito. Eu disse para quem ainda está pensando assim que que eu não tenho medo de cara feia e que eu estou pronta. Então, se vier quente, eu estou fervendo. Ou seja, eu estou mais disposta ainda a fazer um debate de alto nível, mas, também não abaixar a cabeça porque sou filha de um produtor rural e uma doméstica. Precisamos neste momento nos posicionar, mas dentro da lei, e inclusive vai ser assim que iremos fazer esse debate. Estou preparada para o que der e vier.


Eli Sousa A senhora que foi vereadora, vice-governadora e deputada federal, sendo uma das mais atuantes da Câmara Federal e sempre acompanhando o governador Reinaldo Azambuja, que sentimento a senhora teve para deixar esse berço, para seguir um caminho só?


Rose Modesto – Primeiro aqui estamos deixando amigos e vamos continuar com essa amizade, o respeito, a gratidão pelos 15 anos que eu tenho de PSDB. Só que nesse momento vamos seguir caminhos diferentes dentro dos projetos políticos. Eu tenho um sonho que não é só meu, mas é de muita gente que me encorajou, inclusive hoje para estar aqui falando como pré-candidata. E o PSDB ele tomou uma outra decisão, um outro nome e nós respeitamos isso, mantemos a nossa amizade, só que politicamente nesse momento, vamos trilhar caminhos diferentes, com muito respeito, mas tenho certeza que nem os partidos, nem as ideologias, nem os projetos pessoais, estão acima da amizade e do tempo que a gente conviveu. Pelo menos para mim e acredito que para o governador Reinaldo também.


Eli SousaA senhora tem alguns cargos no governo. A senhora sofreu retaliação? Perdeu alguns cargos no governo ou as pessoas continuam?


Rose Modesto – Na verdade Eli, as pessoas que hoje trabalham no governo são pessoas que estão desde o início da gestão do Reinaldo, que ajudaram ele a se eleger em 2014, que acreditaram no governo dele e contribuíram para a gestão dele. Eu não sofri retaliação, até porque eu como deputada federal, tenho uma equipe que trabalha comigo e as pessoas que lá ficaram, são uma escolha do governador, são técnicos, profissionais que têm contribuído para o crescimento do Estado. Então, eu tenho certeza que o governador não vai, de forma nenhuma, misturar política e retaliar profissionais que de certa forma estão ajudando o Estado a crescer cada vez mais.


Eli SousaA senhora teve proposta de vários partidos e ainda não ingressou em nenhum e agora está no União Brasil. É verdade isso?


Rose Modesto – Na verdade Eli, vamos definir isso na janela eleitoral. Recebi o convite do Podemos, do Republicamos, do PP, do Prós e do Avante. O União Brasil foi o partido com quem acabamos avançando mais nas tratativas. O pessoal realmente quer ter uma candidatura ao Governo de Mato Grosso do Sul. O Bivar {Luciano} que é meu colega na Câmara Federal, é 1º secretário da Mesa Diretora eu sou 3ª secretária da Mesa Diretora. Antes de se cogitar a fusão do DEM com o PSL ele já havia me convidado e já estávamos conversando sobre ir para lá. Nesta semana está marcada, inclusive talvez, hoje, a homologação pelo TSE do novo partido. Isso precisa acontecer para que possamos migrar para lá.


Eli Sousa Caso a senhora for para o União Brasil, tem a ministra Tereza Cristina. Ela ficará no seu palanque?


Rose Modesto – Na verdade, acho que assim. Quando abrir o período da fusão do partido, todos vão fazer uma análise, se ficam ou se não ficam. É legítimo, ficar e é legítimo sair para um outro projeto político. O que a gente tem, inclusive com a Ministra Tereza, é um bom diálogo, inclusive ela é uma mulher que eu admiro muito e acho que essas tratativas de partido, antes dessas decisões, se vai ter federação ou não, fica ainda muito difícil da gente falar dessas composições. O que eu mais estou preocupada mesmo, com todo respeito aos partidos e as lideranças políticas, o mais importante deste momento é a gente buscar uma liderança firme com o eleitor.


Eli Sousa – A senhora que tem andado o Estado, conhece muito bem o nosso Estado, quais são as emendas que tem levado para os municípios? Quais são os municípios que têm sido beneficiados como as suas emendas parlamentares?


Rose Modesto – Eli eu procurei atender as 79 cidades e consegui atender os 79 municípios. No final do ano foi maravilhoso. Você sabe que eu sou professora, mas antes de ser professora, eu sou um milagre da educação, tive condições de sonhar e realizar, porque a educação me proporcionou isso e eu queria muito ajudar a diminuir o déficit de vagas, tanto em escolas quanto em creches. Existem ainda muitas crianças fora das escolas e das creches em Mato Grosso do Sul e ainda há muitas cidades com necessidades de escolas. Em dezembro, eu consegui empenhar um projeto no Ministério da Educação e consegui uma contrapartida do Ministério e nós viabilizamos quase R$ 140 milhões reais para a construção de novas 36 escolas ou creches para Mato Grosso do Sul. Consegui com isso uma posição muito importante que me deixou muito orgulhosa: fui a deputada federal que, ao longo da história do nosso Estado, mais conseguiu trazer recursos para a educação em um único mandato. Então, eu estou feliz com relação a isso. Atualmente minhas emendas para a educação ao longo do meu mandato somam quase que R$ 250 milhões de reais. Estamos aqui com a Flávia {Andrade, jornalista de Impacto} que é jornalista e moradora do bairro Jardim Aero Rancho. Na rua que ela mora tem uma obra importante acontecendo, com o Governo do Estado, onde eu viabilizei R$ 7 milhões e 500 mil e o governo colocou mais R$ 7 milhões. Estamos fazendo uma das etapas de asfalto do Jardim Aero Rancho. Para a área social praticamente todas as entidades que trabalham com criança, com idoso, com mulher vítima de violência, foram contempladas com emendas de nossa autoria. Na área da saúde, na área da agricultura familiar, o Mato Grosso do Sul é um estado forte no agronegócio, mas precisamos focar muito na agricultura familiar, ainda estamos consumindo quase que 70 % dos produtos de fora e se nós fortalecermos a agricultura familiar, investir em tecnologia, irrigação, escoamento do que eles produzem, conseguimos fazer Mato Grosso do Sul ser ainda mais forte nessa área. Então, eu procurei atender todos os setores.


Eli Sousa A senhora esperava essa receptividade e esse carinho da população?


Rose Modesto – Eu estou super feliz. De ontem para hoje o celular, as mensagens mudaram muito. Ganhar e perder é parte da vida e eu tenho a convicção a cada minuto eu passa de que eu estou fazendo a coisa certa, de colocar o meu nome à disposição dos eleitores. Até o para os eleitores. Até o momento sou a única mulher e penso que eu ainda tenho essa missão como mulher, de colocar o nome à apreciação popular. Têm muita gente que pensa que poderia ter uma mulher no governo. Eu espero que venham outras candidatas, acho que para o debate vai ser muito importante e estou muito feliz com a receptividade e tenho certeza que iremos fazer uma grande eleição.


Eli Sousa A senhora lá atrás andou se aproximando do ex-governador André Puccinelli (MDB), saíram conversas de que ele iria te lançar e que você poderia sair pré-candidata a vice dele. São fofocas ou essa aproximação não chegou a resultados concretos? Não deu frutos? O que aconteceu?


Rose Modesto – Eu sempre dialoguei com todo mundo e vou continuar dialogando. Você jamais pode deixar de atender um convite de alguém que quer falar com você. Eu tenho respeito pela história de todos, inclusive ontem, no meu discurso eu agradeci, porque o Mato Grosso do Sul que nós temos hoje, foi construído pela mão de muita gente, de muitos homens, e ainda lamentei que desses 11 governadores, ainda não houve nenhuma mulher, mas pode ter uma oportunidade agora. Houve um convite do pré-candidato André e tantos outros. O convite para compor, participar, ser vice, ser senadora e eu sempre dizendo que eu tomaria a decisão na hora certa. Ouvindo a população cheguei à conclusão de ser pré-candidata a governadora. Isso, depois de ouvir, de rodar o Estado inteiro, de medir com pesquisas, porque eu acredito na ciência e a pesquisa mostra que tem um caminho, que tem um espaço. Pesquisas sérias. Então eu agradeço muito, inclusive, o convite que todo mundo fez, mas neste momento eu fico como pré-candidata ao Governo do eEstado e se Deus quiser nós vamos conseguir apresentar esse sonho, viver o nosso Estado, ser um estado rico não só em dinheiro, em belezas naturais, mas rico em uma melhor distribuição de renda, rico em oportunidades que é o que todo ser humano precisa.


Eli Sousa A senhora já pensou no vice ou na vice?


Rose Modesto – A gente tem procurado, na verdade, deixar isso fluir de uma forma mais natural. Acredito que essas composições de chapa também têm que ter a opinião de quem vota. Então vamos medir isso, inclusive, com pesquisas, para ver qual é o perfil que o eleitor pensa de vice, de senador para então montar a chapa.


Eli Sousa Outras pré-candidaturas, uma do ex-governador André Puccinelli (MDB), do secretário Eduardo Riedel (PSDB), do Zeca do PT e do prefeito Marquinhos Trad (PSD). Para a senhora seria melhor que todos saíssem candidatos e mostrassem o seu projeto no primeiro turno para que no segundo turno a população decidisse qual a melhor proposta?


Rose Modesto – Eu acredito que para o processo democrático é importante, todos os nomes que você citou têm capacidade para apresentar as suas ideias. Cada um tem a sua trajetória, a sua história e enriquece o debate. Penso que cada um tem uma missão. Eu quando não fui candidata a prefeita em 2020, eu queria concluir o meu mandato, porque recebi mais de 120 mil votos, para estar em Brasília e eu acredito que o eleitor fica muito frustrado quando você deixa o seu mandato para seguir outro caminho. Mas cada um faz a sua análise que quer e eu acho que no processo democrático quanto maior o número de candidaturas mais ganha o eleitor que terá mais opções escolha.


Eli Sousa A senhora quase foi prefeita de Campo Grande na sua primeira e única candidatura ao cargo e de repente você é candidata a governadora do Estado. No fundo, no fundo, a senhora gostaria de ser prefeita de Campo Grande ou governadora do Estado?


Rose Modesto – Eu quero cuidar de Campo Grande e como governadora eu consigo fazer isso também. Então, o sonho de poder trabalhar e cuidar dessa cidade ele continua vivo e tenho feito isso como deputada federal. Como governadora conseguirei fazer mais. Eu sou filha do interior, sou nascida em Fátima do Sul, criada no distrito de Culturama, mas, Campo Grande nos recebeu no final de 1985, começo de 1986 e aqui tivemos oportunidade de estudar, ter emprego, renda, ver a família crescer, os sobrinhos que vieram, as cunhadas que foram chegando, então tenho uma alegria e uma gratidão muito grande pelo que Campo Grande fez por nós e quero retribuir. Comecei retribuindo como professora, talvez seja uma das missões mais bonitas que uma pessoa possa ter, que é o dom de ensinar. Depois, como vereadora, também tive a oportunidade de ajudar. Fui vice-governadora e agora como deputada federal tenho feito o que posso pela nossa Capital. E se Deus permitir e a população acreditar que podemos, farei mais ainda como governadora do Estado.


Eli Sousa O Projeto Tocando em Frente fez sucesso. Ele ainda continua?


Rose Modesto – Sim, ele {o projeto} fez 12 anos está indo para o 13º ano agora no começo do ano. Funciona na Rua da Divisão, 362, no mesmo local.


Eli Sousa – Como está sendo a tratativa com os prefeitos do PSDB, uma vez que 70 dos 79 municípios são compostos pelo PSDB.


Rose Modesto – Como pré-candidata vamos percorrer os 79 municípios e vamos conversar com toda a sociedade civil organizada, com a dona de casa, com os professores e professoras, com os médicos, com as pessoas dos setores administrativos das escolas e obviamente vou falar com todos os prefeitos, até porque eu estou hoje com muitos investimentos do nosso mandato de deputada federal para entregar. Estávamos falando com o prefeito de Amambai, o Dr. Bandeira, onde vamos entregar uma ambulância que era um sonho de uma determinada comunidade. Então vamos conversar com todo mundo. A política tem um peso muito importante, a liderança de um prefeito, de um vereador, de um deputado. Tudo isso é muito importante para um governador e respeitamos essa realidade. Agora precisamos combinar com o eleitor tudo isso.


Eli Sousa – A sua candidatura nasce do anseio do povo? Da base?


Rose Modesto – Eu não tenho dúvida disso: da base. Foi construindo ali, para eu tomar essa decisão, eu não fui medir com o partido ou com lideranças apenas da política, eu fui medir com o cidadão comum, ‘o que você pensa?’; ‘o que você acha?’; ‘recebi um convite assim’. Então foi desse jeito que a gente construiu e vai ser assim que vamos tocar a campanha também: buscando o apoio de todo mundo.


Eli Sousa – O que a senhora pretende fazer de diferente na política para Mato Grosso do Sul?


Rose Modesto – Eu penso que o governo não pode fazer tudo, ele precisa ter uma sensibilidade de priorizar o que de fato é a prioridade, de quem mais precisa. A política, a essência dela é para isso. Nós vamos governar com os grandes, porque os grandes enfrentam desafios, pagam impostos altos para poder gerar empregos, vamos discutir com o pessoal do agronegócio, que é quem sustenta esse setor econômico que é forte no Mato Grosso do Sul e ajuda a manter equilíbrio na economia. No momento mais difícil, com uma inflação tão alta, é o agro que ajuda a manter. Vamos cuidar dos pequenos, das pessoas que mais necessitam. Daquelas famílias que formam o contingente 21% da população que ainda sobrevive com meio salário mínimo de renda per capita. A qualidade de vida é se ter uma marca de distribuição de renda. A renda ainda está muito concentrada. Mato Grosso do Sul é um Estado rico, mas que ainda tem muita gente pobre e nós temos condições e o dever de ajudar essas pessoas. O pobre tem o direito de crescer, de se alimentar melhor, de ter a escola de qualidade, saúde de qualidade. Então é com esse foco, é com essa disposição que eu quero ser governadora no Mato Grosso do Sul.


Eli Sousa – No turismo a senhora tem algum projeto específico para o Estado? Nosso estado é forte na área do turismo, mas não conseguiu se destacar por falta de infraestrutura. O que a senhora pensa sobre isso?


Rose Modesto – Infraestrutura e não só infraestrutura, mas incentivo fiscal, dentro da regra, dentro da lei, de forma transparente, para quem quer investir em outras regiões. O Pantanal é maravilhoso, Bonito é maravilhoso, mas temos outras regiões, quando você vai aqui para a região do Taboco, de Corguinho, região Norte é maravilhoso. Costa Rica, um espetáculo. agora precisamos de empresários que queiram investir na rede de hotelaria. Precisamos incentivar empresas que queiram vir, que queiram ir para essas regiões mais distantes. Oferecer incentivo fiscal para motivá-lo a ir para essas regiões, para querer investir.


Eli Sousa – Que mensagem a senhora deixaria para Mato Grosso do Sul?


Rose Modesto – Agradeço a todos que trabalham diuturnamente para tornar o Mato Grosso do Sul um estado forte. Se hoje já somos fortes, isso é resultado das mãos de todo mundo que acreditou e investiu aqui no nosso Estado. Parabenizar o povo sul-mato-grossense por acreditar no Estado, que é jovem, 44 anos, e tem muito a crescer ainda. Quero agradecer a cada um que me ajudou a chegar nessa decisão, que está sonhando comigo esse projeto, de ter um estado mais humano para todo mundo, um estado que realmente vai gerar as oportunidades que as pessoas necessitam.


Eli Sousa – O que precisa ser feito para que as pessoas de fora saibam diferenciar Mato Grosso do Mato Grosso do Sul?


Rose Modesto – Acho que precisamos fazer ações que tornem referência, Mato Grosso do Sul é o único estado que não tem favelas, que não tem pessoas morando embaixo de lonas, temos que r divulgar. Quantas coisas nós temos que podem ser divulgadas… MS é um estado que produz, que tem belezas naturais. Precisamos andar o mundo vendendo o que é o Mato Grosso do Sul. Hoje é dia 8 de fevereiro e já tivemos sete feminicídios. O Estado é maravilhoso, mas é o quinto Estado onde mais acontece o feminicídio. Eu quero chegar a um dia que não seja registrado nenhum caso e eu como governadora quero trabalhar para isso.


Eli Sousa – Quem vai estar no seu palanque na campanha?


Rose Modesto – O partido que eu for, na hora que definir, vai também ter que fazer essas alianças, as composições, o que eu quero dizer é que, como governadora, eu terei uma posição institucional, independente de quem ganhar as eleições, pensando no Mato Grosso do sul. É com esse pensamento político que eu quero fazer o debate na nacional.


Colaborou Flávia Andrade e Jota Menon Impactomais.com.br

5 visualizações0 comentário